Páginas

sexta-feira, 10 de abril de 2009

Da delicadeza




Foi necessário reler “Manual da Delicadeza de A a Z” de Roseana Murray para recuperar o gesto adquirido e perdido pelo homem.


Tenho a alma de pedra bruta, rosnado de bicho em perigo, grito de dor ancestral.
Preciso do silêncio da água nas pedras e no leito para acalmar o peito sempre ansioso.
Não compreendo ato de violência que não seja para a defesa da vida e proteção da cria.
É preciso pacientemente aguardar...
É preciso delicadamente acreditar...



“em coisas simples e limpas,
em coisas essenciais,
amor, amizade, delicadeza,
paz,
e tantas outras palavras,
antigas e urgentes.”

Roseana Murray



É preciso silenciosamente “carregar água na peneira” como disse Manoel de Barros em “Exercícios de ser criança” porque...


“ Será que os despropósitos não são mais carregados de poesia do que o bom senso?”

É preciso fazer “pedra dar flor!”
Manoel de Barros



É preciso recuperar-se da rudeza e escolher a leveza já que ...

“A vida deveria ser uma teia de infinitas delicadezas. Ao invés de uma porta fechada, horizontes, ao invés de um grito, girassóis.” (Roseana Murray)




Então, lembro-me de “Girassóis” de Caio Fernando Abreu, da teimosa e frágil flor quebrando a rotina do paulistano nos Jardins de concreto e indago se não seria possível o retorno de uma vida plena, sossegada e longa como nos velhos tempos. Ah, o girassol...


”como se não suportasse a beleza que ele mesmo engendrou, cai por terra, exausto da própria criação esplêndida. “
Caio Fernando Abreu


Jamais saberemos dos mistérios divinos.
Então, tal qual crianças, escrevemos absurdos para fazer pensar, sorrir, preencher vazios, trançar a teia da vida e do universo.







8 comentários:

Lou disse...

Fátima,

Delicada a trama engendrada para nos (re)apresentar a leveza essencial ao ser. Que os olhares amadureçam ao ponto de “fazer pedra dar flor!”.

Abraços,
Lou

Mario Aller disse...

Pensamentos para facer pensar, é certo.

Ah, e a min tampouco me gustan as bruxas. Pero dicir que Fátima é coma unha meiga das palabras, sería algo bonito. Así que xa non o repito pois tamén é certo...

Abraços

André Neves disse...

Fatima, delicadeza é ouvir você falar de paz, de calmaria, de conhecimento. Delicadeza é ter você por perto mesmo que virtualmente. Para mim e delicadeza ouvir dizer que levei Remédios aos seus olhos. Bom saber que eles transbordaram em suas cores e criatividade.
Segue a delicadeza do meu abraço no seu coração. André

André Neves disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blog.
Tino Freitas disse...

Simplesmente LINDO. Ponto. Feliz Páscoa. Até breve.

Ricardo Martini disse...

Olá Fátima ...

Que os homens insistam em semear a delicadeza, a palavra que constrói e as memórias que nos salvam do tempo ...

Anônimo disse...

Amei!
Affonso Romano tem um livro sobre esse tema: TEMPO DE DELICADEZA, ótimo para refletirmos.
Abraço
Celi Luz

peter o'sagae disse...

Pois fazia tempo, Fátima, que não passeava por aqui... o que precisamos mesmo é de uma teia de leituras infinitas e delicadezas ;-)

Related Posts with Thumbnails